sábado, 26 de julho de 2014

Frida



Eu a desejo toda mística, úmida e nua,
à noite, quando a quietude se completa
e me inflama sob o céu de estrelas e lua,
no apogeu da minha quimera de poeta.

Eu a amo sem ruídos e desordem
e a quero sem confessar o meu querer.
Não exponho a minha necessidade
nem demonstro o meu sôfrego sofrer.

Eu não pretendo ocasionar fragor
nem denunciar o meu afeto, pois,
para mim, o silêncio sempre foi
a mais sincera declaração de amor.

3 comentários:

  1. Nada como ler o mundo aos seus olhos =D

    ResponderExcluir
  2. Se os lábios calam é porque os olhos gritam. Seus versos são puros

    ResponderExcluir